DEFINIÇÃO:

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é definido por uma lesão tecidual secundária à vascularização insuficiente, levando, por sua vez, a um infarto neuronal e/ou de suas estruturas adjacentes como a micróglia e os astrócitos. Atualmente, a noção de que a presença de infarto tecidual é necessária para que seja confirmado o diagnóstico de AVC, ajuda no diagnóstico diferencial com o Acidente Isquêmico Transitório (AIT). Os novos critérios para definição de AIT revelam que os exames de imagem devem ser negativos para áreas de necrose tecidual aguda, o que pode reduzir consideravelmente os casos de AIT no futuro, já que alguns pacientes sofrem lesão cerebral com evidência de infarto tecidual, mesmo após melhora completa dos sintomas em menos de 24 h.

O AVC pode ser do tipo isquêmico, onde ocorre uma oclusão arterial aguda, levando a um déficit no suprimento sanguíneo focal no encéfalo, ou hemorrágico, que acontece por uma ruptura arterial intracraniana, levando a compressão de estruturas, além da deficiente vascularização no local afetado. Aproximadamente 80-85% dos casos de AVC são isquêmicos e 10-15% se caracterizam como hemorrágicos.